SUPERÁVIT DA BALANÇA COMERCIAL MINEIRA TEM AUMENTO DE 9,6%
06/08/2019

Diário do Comercio
O saldo da balança comercial mineira registrou superávit de US$ 9,254 bilhões no acumulado dos sete primeiros meses de 2019, de acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia. O resultado foi 9,6% maior do que os US$ 8,443 bilhões apurados em igual época do ano passado.

No entanto, quando considerado o volume transportado houve queda. Enquanto no acumulado de janeiro a julho deste ano, a diferença entre exportações e importações somou 75,995 milhões de toneladas, na mesma época de 2018 chegaram a 83,636 milhões de toneladas. Isso representa um recuo de 9,13% entre os períodos.

Quando considerado apenas o mês de julho, as cifras do comércio exterior do Estado apresentaram queda de 3% entre os períodos e os volumes transportados de 29%. O superávit do sétimo mês deste ano chegou a US$ 1,179 bilhão e em igual época do exercício passado foi de US$ 1,216 bilhão. Os volumes foram de 9,567 mil toneladas, contra 13,558 mil toneladas, respectivamente.

Sobre as exportações, os dados mostraram movimento semelhante. No acumulado dos sete primeiros meses do ano, somaram US$ 14,293 bilhões, representando alta de 4,8% sobre os US$ 13,637 bilhões do ano anterior. Na mesma comparação, as importações em 2019 chegaram a US$ 5,039 bilhões, contra US$ 5,046 bilhões, indicando leve baixa de 0,13% entre os anos.

Em termos de volumes, as exportações no ano somaram 81,858 milhões de toneladas contra 89,644 milhões de toneladas no exercício passado, uma queda de 8,6%. Já nas importações, o volume foi de 5,863 milhões de toneladas de janeiro ao mês passado sobre 6,008 milhões de toneladas no mesmo intervalo de 2018, baixa de 2,41%.

Somente em julho, as exportações somaram US$ 1,994 bilhão neste ano e US$ 1,985 bilhão em 2018. Já as importações chegaram a US$ 815 milhões neste exercício e US$ 769 milhões um ano antes.

Minério – Os embarques de minério de ferro somaram US$ 4,501 bilhões nos primeiros sete meses de 2019. Na mesma época de 2018 foram US$ 3,751 bilhões. Isso significa aumento de cerca de 20% entre os períodos.

Minas embarcou, entre janeiro e o mês passado, 72,293 milhões de toneladas de minério. Na mesma época de 2018 este número chegou a 77,184 milhões de toneladas. Uma queda de 6,3%. Ainda assim, o insumo siderúrgico continuou como principal produto da pauta de exportações do Estado.

No mês, os valores das exportações do insumo siderúrgico mantiveram a curva de crescimento (19%), com US$ 699 milhões, mas os volumes apresentaram baixa de 24,7%. Ao todo foram embarcadas 9,289 milhões de toneladas no mês passado, contra 12,349 milhões de toneladas em julho de 2018.

Café – Já as remessas de café ao exterior aumentaram em quantidade e rendimento nos dois tipos de comparação. O Estado embarcou 924 mil toneladas ou 60% a mais em volume no acumulado até o mês passado diante do mesmo período de 2018. Os embarques do grão ao mercado externo somaram 576 milhões de toneladas em 2018. Já em receita, a commodity rendeu US$ 1,989 bilhão sobre US$ 1,511 bilhão, alta de 31% em igual confronto.

No mês, o volume foi 109% maior, chegando a 111 mil toneladas, ante 53 mil toneladas em julho do ano passado. Já as cifras foram de US$ 229 milhões sobre US$ 137 milhões, alta de 67%.

Importações – No que se refere às importações, o produto mais comprado por Minas Gerais no mercado internacional foi a hulha betuminosa, que é o carvão mineral, usado nos altos-fornos de usinas instaladas no Estado. Ao todo foram aportados US$ 421 milhões nos sete primeiros meses deste ano, valor 11,9% maior que na mesma época de 2018. No mês, foram US$ 49 milhões para a compra de 280 mil quilos do insumo. 

Voltar

Empresas Associadas

Canais Sociais |
Mapa do Site      
Copyright 2019 - Instituto Aço Brasil